Home Destaques Comissão de Cidadania vai intermediar pleito de convocação de concursados ao cargo de agente penitenciário

Comissão de Cidadania vai intermediar pleito de convocação de concursados ao cargo de agente penitenciário

Comissão de Cidadania vai intermediar pleito de convocação de concursados ao cargo de agente penitenciário
0
0
DEMANDA – Entre 220 e 240 aprovados recorreram à Justiça pedindo o ingresso na carreira. Foto: Jarbas Araújo
        Concursados aprovados no cargo de agente penitenciário da Secretaria Executiva de Ressocialização (Seres) demandaram, nesta quinta (5), o apoio da Comissão de Cidadania  para serem nomeados. Durante a reunião, o colegiado se comprometeu a buscar um acordo entre os candidatos e o Governo do Estado.
          Um dos aprovados no certame, cujo edital foi publicado em 2009 e as provas realizadas no ano seguinte, Félix Antônio de Abreu explicou que houve diversas convocações de aprovados, sendo a mais recente de junho de 2014. Nesta última etapa, segundo ele, a instituição responsável pela realização do processo seletivo, UPENet, descumpriu o edital ao fazer o chamamento para 360 aprovados apenas pelo Diário Oficial, e não por outros meios, como telegrama.
Além disso, segundo ele, mesmo entre os que compareceram houve candidatos que não foram nomeados. Por conta disso, entre 220 e 240 aprovados recorreram à Justiça pedindo o ingresso na carreira.
              Presidente do Sindicato dos Agentes e Servidores no Sistema Penitenciário do Estado de Pernambuco (Sindasp), João Carvalho reforçou o pleito, citando que há uma Ação Civil Pública do Ministério Público, com decisão favorável da Justiça, para que o Estado seja obrigado a resolver o déficit de agentes penitenciários. “O Estado foi notificado e não fez a nomeação, alegando que o concurso caducou”, acrescentou.
Dados do Sindasp-pe revelam que, atualmente em Pernambuco, a média é de aproximadamente 21 detentos para cada agente. Segundo resolução de 2009 do Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária, a proporção ideal é de um agente a cada cinco presos.
               Presidente da Comissão de Cidadania, Edilson Silva (PSOL) afirmou que o colegiado buscará o Governo do Estado para obter um “esclarecimento global” da situação. “Há concursados que foram chamados e ficaram de fora do curso de formação. Vamos observar cada caso para buscar sensibilizar o Executivo”, disse.
O vice-líder do governo, Lucas Ramos (PSB) leu a resposta do secretário de Justiça e Direitos Humanos, Pedro Eurico, a um ofício encaminhado por ele tratando do tema. No documento, o gestor afirma que, apesar de aprovados, os autores das ações judiciais não foram classificados dentro do número de vagas do concurso, que eram 500, as quais já foram preenchidas.

 

Deixe o seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *